Polônia diz que está pronta para colocar armas nucleares dos EUA em seu território para deter Rússia

Compartilhe

A Polônia está pronta para colocar armas nucleares dos EUA em seu território e defende o aumento da presença de tropas americanas nas fronteiras com a Rússia, disse o vice-primeiro-ministro polonês Jaroslaw Kaczynski neste domingo.

“Se os americanos nos pedissem para hospedar armas nucleares americanas na Polônia, estaríamos abertos a isso”, disse Kaczynski em entrevista  ao jornal alemão Welt am Sonntag, afirmando que tal medida “fortaleceria significativamente a dissuasão contra Moscou “.

Além disso, ele propôs aumentar a presença militar dos EUA na Europa de 100.000 para 150.000. Destes, 75.000 soldados devem estar permanentemente estacionados no flanco leste da OTAN, nas fronteiras com a Rússia , 50.000 deles apenas nos estados bálticos e na Polônia.

“Os soldados da potência nuclear americana são o fator mais forte para impedir a Rússia de atacar os países da Otan e nos dar maior segurança”, defendeu Kaczynski.

O alto funcionário polonês também pediu a criação de um novo centro de comando da Aliança Atlântica em seu país, a partir do qual missões conjuntas podem ser planejadas e realizadas. “Isso enviaria um sinal claro a Moscou: a liderança da Otan agora está presente também no Oriente “, disse ele.

Ele também instou o bloco militar a fazer mais no conflito na Ucrânia. “Primeiro, realize uma missão de paz”, disse Kaczynski, observando que isso só seria possível com o consentimento de Kiev. “Em segundo lugar, os países da OTAN devem finalmente entregar as armas que [o presidente ucraniano] Zelensky está pedindo fortemente”, acrescentou.

“Forte inclinação” de Berlim a Moscou

O político acusou a posição de Berlim em relação a Moscou, com a qual expressou estar “muito insatisfeito”. “A Alemanha poderia fornecer mais armas. A Alemanha poderia sair a favor de um embargo de petróleo na União Européia”, disse ele.

“Não podemos continuar apoiando uma grande potência como a Rússia com pagamentos multimilionários para compras de energia”, disse Kaczynski, chamando essa política de moralmente inadmissível e acusando Berlim e Paris de terem “uma forte inclinação para Moscou”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.