Presidente Biden diz que terá como objetivo ‘aprofundar a integração de Israel na região’ durante a visita

Compartilhe

O presidente dos EUA, Joe Biden, disse na quinta-feira que um dos objetivos de sua próxima viagem ao Oriente Médio é “aprofundar a integração de Israel na região”.

“Acho que seremos capazes de fazer [isso], o que é bom – bom para a paz e bom para a segurança israelense”, disse ele durante uma entrevista coletiva à margem de uma cúpula da Otan na Espanha.

“É por isso que os líderes israelenses se manifestaram tão fortemente pela minha ida à Arábia Saudita”, acrescentou Biden, revelando publicamente o lobby de Jerusalém para que ele visite Jeddah, em meio à apreensão de alguns de seu partido sobre o histórico de direitos humanos do reino do Golfo.

Biden viajará para Israel e Cisjordânia e nos dias 13 e 14 de julho antes de seguir para a Arábia Saudita, onde participará por dois dias da cúpula anual do GCC+3 de líderes regionais dos Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Kuwait, Omã e Catar, em além do Egito, Iraque e Jordânia.

Israel está ansioso para normalizar os laços com a Arábia Saudita, vendo a aceitação do reino do Golfo como crítica para uma integração mais ampla na região. Como tal, pressionou os funcionários do governo a aliviarem Riad, apesar do papel percebido do príncipe herdeiro Muhammad bin Salman no assassinato do jornalista norte-americano Jamal Khashoggi. Jerusalém adotou uma abordagem semelhante em seu lobby para melhorar as relações entre os EUA e o Egito, apesar do próprio histórico de direitos humanos do Cairo.

Biden não detalhou como a viagem levará à integração de Israel na região, mas a Axios informou na quarta-feira que os EUA estão prestes a negociar com sucesso um acordo que fará com que um par de ilhas do Mar Vermelho seja transferido do Egito para a Arábia Saudita em um acordo que fará com que Riad se mova para normalizar os laços com Israel, cuja aprovação é necessária para que o acordo seja aprovado.

O presidente notavelmente não fez menção aos palestinos em sua resposta à pergunta de um repórter sobre a viagem, mais uma dica sobre seu alcance.

Embora tenha havido alguma especulação em Israel de que Biden adiaria a visita, dada a agitação política do mês passado, a Casa Branca foi inflexível desde o início que essas questões não fazem parte de seu cálculo. Os EUA esperavam que Naftali Bennett fosse o primeiro-ministro quando Biden chegar em duas semanas, mas está avançando com seu planejamento enquanto Yair Lapid se prepara para substituí-lo como primeiro-ministro na sexta-feira.

A decisão de Biden de visitar a Arábia Saudita levantou as sobrancelhas, dada sua promessa durante a campanha de tratar Riad como um “pária” por seu histórico de direitos humanos. Mas com a invasão da Ucrânia pela Rússia e o recuo da pandemia provocando altas de todos os tempos, o presidente alterou sua abordagem para garantir uma melhor cooperação de um importante aliado do Oriente Médio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.