Presidente sul-coreano ordena que militares ‘punam’ a Coreia do Norte em caso de provocação

Compartilhe

O presidente sul-coreano Yoon Suk-yeol ordenou que as Forças Armadas de seu país punissem “rápida e firmemente ” Pyongyang se realizar uma provocação, informou a agência Yonhap, citando um comunicado do gabinete presidencial sul-coreano.

Depois de manter uma reunião nesta quarta-feira com os comandantes dos três ramos das Forças Armadas, o presidente enfatizou a necessidade de “garantir uma forte capacidade de defesa para proteger a segurança e os interesses nacionais”, num momento em que “as incertezas da segurança em torno da Coreia do Sul e o nordeste da Ásia estão ficando mais fortes do que nunca.

Yoon deixou claro que qualquer provocação de Pyongyang será recebida com uma resposta forte e unida de Seul em estreita coordenação com os EUA, enquanto se oferece para manter a porta aberta para o diálogo com o país vizinho.

Investimento em inteligência artificial e outras medidas

A Coreia do Norte realizou recentemente uma série de testes de mísseis desde a posse de Yoon em maio e mostrou sinais de preparação para o que seria seu sétimo teste nuclear .

O presidente sul-coreano pediu a construção de uma “forte capacidade de resposta” para impedir o uso de armas nucleares e mísseis pela Coreia do Norte, bem como reduzir seu potencial de provocações. Além disso, ele instou as Forças Armadas a investir em inteligência artificial e outras plataformas científico-tecnológicas para ajudar a lidar com a escassez de tropas e se preparar para futuras ameaças à segurança.

Tripla aliança

O novo governo sul-coreano adotou um tom mais beligerante em relação à Coreia do Norte, ao contrário do ex-presidente Moon Jae-in, que tentou  estabelecer a paz entre as duas nações. Na semana passada, Yoon se encontrou com o presidente dos EUA, Joe Biden, e o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, em Madri, à margem da cúpula da OTAN.

Nessa reunião, as três partes concordaram em fortalecer as capacidades de dissuasão e resposta contra Pyongyang. Enquanto esta terça-feira seis caças F-35 americanos  chegaram à Coreia do Sul para participar de exercícios militares. O Ministério da Defesa sul-coreano indicou que a implantação pretendia ” demonstrar a forte dissuasão da aliança e a postura de defesa conjunta” entre Washington e Seul.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.