Reino Unido, Alemanha, e França diz que não aceitarão pedido de Putin de pagar gás russo em rublos

Compartilhe

A Grã-Bretanha não aceitará a exigência do presidente russo, Vladimir Putin, de pagar o gás russo em rublos, disse um porta-voz do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.  

O porta-voz disse que o secretário de Energia britânico, Kwasi Kwarteng, deixou claro que “isso não é algo que o Reino Unido esteja investigando”.  

O presidente russo, Vladimir Putin, anunciou na quinta-feira que, de acordo com um decreto recém-assinado sobre o comércio de gás natural com “países hostis”, as empresas precisarão abrir contas em rublos em bancos russos e os pagamentos devem vir dessas contas. 

O Reino Unido examinará o impacto dessa medida no mercado europeu, acrescentou o porta-voz.  

Alemanha e França também não vai aceitar o decreto de Putin

Na quinta-feira, os ministros econômicos da França e da Alemanha também se recusaram a pagar o gás em rublos , dizendo que estão comprometidos com os acordos existentes com a Rússia de fazer os pagamentos pelo fornecimento de gás russo apenas em euros.  

Os ministros da economia da Alemanha e da França disseram na quinta-feira que estão comprometidos com os acordos existentes com a Rússia sobre fazer os pagamentos pelo fornecimento de gás russo apenas em euros.  

“Os contratos são em euros e devem ser pagos em euros e serão pagos em euros”, disse o ministro da Economia e Finanças da França, Bruno Le Maire, durante uma entrevista coletiva conjunta com seu colega alemão, Robert Habeck.  “Não aceitaremos o método de pagamento do gás [russo] em qualquer outra moeda que não a indicada no contrato”, acrescentou Le Maire.  

O presidente russo, Vladimir Putin, disse na quinta-feira que, de acordo com um decreto recém-assinado sobre o comércio de gás natural com “países hostis”, as empresas precisarão ter contas em bancos russos e pagar os contratos em rublos.  

Em uma coletiva de imprensa separada na quinta-feira, Habeck disse que a Alemanha está “preparada” para todos os cenários, incluindo uma paralisação dos fluxos de gás russo para a Europa, enquanto Le Maire disse que a França está “se preparando” caso a Rússia corte as entregas de gás.  

O chanceler alemão Olaf Scholz também insistiu na quinta-feira que Berlim fará pagamentos pelo gás russo apenas em euros.  “Examinamos os contratos de entrega de gás e outras entregas. [Os contratos estabelecem] que os pagamentos devem ser feitos em euros, às vezes em dólares americanos, mas principalmente em euros. E deixei claro em minha conversa com o presidente russo que isso permanecerá como está”, disse Scholz em Berlim durante uma entrevista coletiva conjunta com seu colega austríaco Karl Nehammer. 

“É uma sensação terrível estar dependente da energia russa no momento”, disse o chanceler austríaco. 

“Devemos garantir o fornecimento de energia para garantir que a economia funcione, porque o gás que vem da Rússia não está sendo usado apenas para residências particulares, mas também para indústrias relacionadas a empregos, e a prosperidade deve ser mantida”, disse Nehammer. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.