Reino Unido anuncia mais US$ 130 milhões em equipamentos militares à Ucrânia para se defender da Rússia

Compartilhe

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, prometeu mais 100 milhões de libras (US$ 130 milhões) em equipamentos militares de alta qualidade para a Ucrânia, dizendo que o Reino Unido quer ajudar a Ucrânia a se defender, já que o número de mortos em um ataque a uma estação de trem no leste da Ucrânia sobe para pelo menos 50.

Falando em uma entrevista coletiva com o chanceler alemão Olaf Scholz, Johnson disse que o Reino Unido dará aos militares da Ucrânia mais mísseis antiaéreos Starstreak, outros 800 mísseis antitanque e munições de precisão capazes de permanecer no céu até serem direcionadas ao seu alvo.

Ele também prometeu mais capacetes, visão noturna e armadura corporal. Os itens foram adicionados a cerca de 200.000 equipamentos militares não letais do Reino Unido que já haviam sido prometidos.

Johnson diz que tanto o Reino Unido quanto a Alemanha compartilharam a “repulsa pela brutalidade que está sendo desencadeada, incluindo o bombardeio inescrupuloso de refugiados que fogem de suas casas”, acrescentando que o ataque à estação de trem “mostra as profundezas em que o alardeado exército de Putin afundou”.

O ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, chama o ataque de crime contra a humanidade e diz que o Tribunal Penal Internacional, com sede em Haia, deve abrir uma investigação.

“Eles atingem uma estação onde há refugiados, civis e isso pode ser visto como um crime contra a humanidade”, disse ele à televisão France 5.

“Esses crimes não podem ficar impunes. Os especialistas devem ir até lá rapidamente e documentar com urgência para fornecer provas de crimes contra a humanidade”, diz.

Nos EUA, o presidente Joe Biden agradece na sexta-feira à Eslováquia por dar à Ucrânia um sistema antiaéreo S-300 de fabricação russa, acrescentando que os Estados Unidos vão reposicionar um sistema de mísseis Patriot para substituí-lo.

“Os Estados Unidos colocaram a mais alta prioridade na entrega de capacidades militares críticas à Ucrânia para que ela possa se defender contra a agressão russa”, diz ele.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.