Republicanos da Flórida votam para desmantelar privilégios especiais da Disney sobre ‘Don’t Say Gay’

Compartilhe

A Câmara dos Deputados da Flórida aprovou na quinta-feira um projeto de lei que dissolveria o poder especial de governo do Walt Disney World no estado.

A medida pode ter enormes implicações fiscais para a Disney, cuja série de parques temáticos transformou Orlando em um dos destinos turísticos mais populares do mundo, e serve para azedar ainda mais a relação entre o governo liderado pelos republicanos e um importante ator político no estado.

Legisladores democratas podiam ser ouvidos gritando ao fundo enquanto tentavam protestar contra o projeto de lei que foi aprovado. 

O projeto agora irá para a mesa do governador republicano Ron DeSantis, que esteve envolvido em uma guerra de palavras com a empresa depois que ela se opôs publicamente a um projeto de lei que ele assinou que proíbe a instrução em sala de aula sobre “orientação sexual” e “identidade de gênero” com crianças. na terceira série ou mais jovem “ou de uma maneira que não seja apropriada para a idade ou para o desenvolvimento dos alunos de acordo com os padrões estaduais”.

A aprovação na Câmara da Flórida ocorre um dia depois que o Senado da Flórida aprovou a medida por uma votação de 23 a 16 para dissolver o status especial da Disney que foi concedido pelo estado há mais de 50 anos. 

O status especial, conhecido como The Reedy Creek Improvement Act, foi sancionado em maio de 1967 pelo governador Claude Kirk em resposta aos esforços de lobby da Disney. A gigante do entretenimento propôs a construção de um empreendimento voltado para recreação em 25.000 acres de propriedade em uma área remota dos condados de Orange e Osceola, na Flórida Central, que consistia em 38,5 milhas quadradas de pastagens e pântanos em grande parte desabitados. 

Orange e Osceola County não tinham os serviços ou recursos necessários para dar vida ao projeto, então o legislativo estadual trabalhou com a Disney para estabelecer o Reedy Creek Improvement District, um distrito tributário especial que permite que a empresa aja com a mesma autoridade e responsabilidade como governo municipal. 

“O que eu diria como uma questão de princípio é que não apoio privilégios especiais na lei apenas porque uma empresa é poderosa e ela foi capaz de exercer muito poder”, disse DeSantis durante uma entrevista coletiva no mês passado. “Acho que o que aconteceu é que há muitos desses privilégios especiais que não são justificáveis, mas como a Disney tinha tanta influência, eles foram capazes de sustentar muito tratamento especial ao longo dos anos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.