Sergey Lavrov diz que a União Europeia e a OTAN formam coalizão ‘para guerra contra a Rússia’

Compartilhe

As ações tomadas pela UE e pela OTAN equivalem essencialmente à formação de uma “nova coalizão” visando a Rússia, disse o ministro das Relações Exteriores Sergey Lavrov a jornalistas nesta sexta-feira, comparando as medidas tomadas por Bruxelas às ações do ditador nazista Adolf Hitler antes de atacar a União Soviética. .

Moscou “não tem ilusões” sobre a perspectiva de “sentimentos russofóbicos” dentro da UE se dissiparem em breve, disse Lavrov. A Rússia seguirá de perto todos os “passos reais” dados pelo bloco e seus países candidatos, acrescentou ele em uma provável referência à Ucrânia, que recebeu o status de candidatura da UE na quinta-feira.

“Hitler reuniu uma parte significativa, se não a maioria, das nações europeias sob sua bandeira para uma guerra contra a União Soviética”, disse o ministro das Relações Exteriores, acrescentando que “agora, a UE junto com a OTAN estão formando outra – moderna – coalizão para um impasse e, em última análise, uma guerra com a Federação Russa”.

As declarações de Lavrov vieram apenas um dia depois de ele ter marcado uma proposta para montar uma coalizão naval internacional para escoltar navios que transportam grãos ucranianos pelo Mar Negro como uma tentativa de interferir na região sob os auspícios da ONU. Tais esquemas não são necessários para facilitar as exportações de grãos ucranianos, argumentou ele, acrescentando que Moscou garante a segurança dos navios até o Estreito de Bósforo, um importante canal de acesso ao Mar Negro controlado pela Turquia.

No início deste mês, o ministro também afirmou que Washington estava tentando usar o conflito na Ucrânia para privar a Rússia de seu status independente na arena internacional e forçá-la a seguir as regras estabelecidas pelos EUA. A América e seus aliados não terão sucesso em tal empreendimento, alertou ele na época.

A Rússia atacou o estado vizinho no final de fevereiro, após o fracasso da Ucrânia em implementar os termos dos acordos de Minsk, assinados pela primeira vez em 2014, e o eventual reconhecimento de Moscou das repúblicas de Donbass de Donetsk e Lugansk. Os protocolos mediados pela Alemanha e pela França foram projetados para dar às regiões separatistas um status especial dentro do estado ucraniano.

Desde então, o Kremlin exigiu que a Ucrânia se declare oficialmente um país neutro que nunca se juntará ao bloco militar da Otan liderado pelos EUA. Kiev insiste que a ofensiva russa foi completamente espontânea e negou as alegações de que planejava retomar as duas repúblicas pela força.

Os EUA e seus aliados reagiram ao desenvolvimento dando um tapa na Rússia com um número sem precedentes de sanções, visando seus setores bancário e financeiro, bem como as indústrias de aviação e espacial. Os EUA e o Canadá colocaram um embargo às importações de petróleo e gás da Rússia. A UE seguiu o exemplo introduzindo um embargo parcial ao petróleo russo no início de junho.

As nações ocidentais também têm fornecido armas à Ucrânia desde o início da operação militar russa no país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.