Ucrânia diz que vai destruir a frota de navios russos no Mar Negro

Compartilhe

Navios russos e Crimeia podem ser atacados com armas fornecidas pelo Ocidente, diz vice-ministro da Defesa ucraniano

A Ucrânia vai esmagar a frota russa do Mar Negro e recuperar o controle da Crimeia com armas ocidentais, prometeu o vice-ministro da Defesa do país, Vladimir Gavrilov, durante uma visita ao Reino Unido.

A Frota do Mar Negro da Rússia, baseada na cidade portuária de Sebastopol, na Crimeia, é “uma ameaça permanente” para a Ucrânia, e Kiev precisa resolver esse problema, disse Gavrilov em entrevista ao Times na terça-feira.

Kiev estava esperando para obter armas de longo alcance de nações estrangeiras antes de lançar um ataque, acrescentou.

“Estamos recebendo recursos antinavio e, mais cedo ou mais tarde, teremos como alvo a frota. É inevitável porque temos que garantir a segurança do nosso povo”, explicou o vice-ministro da Defesa.

Gavrilov afirmou que a Ucrânia também está planejando retomar a Crimeia – que votou esmagadoramente para se reunir com a Rússia em um referendo de 2014 após um golpe em Kiev.

De acordo com o funcionário, o governo ucraniano estava discutindo com seus apoiadores ocidentais se poderia usar armas fornecidas por estrangeiros para atacar as forças russas na península.

Autoridades americanas garantiram anteriormente que Kiev havia prometido que armas fabricadas nos EUA, incluindo sistemas de foguetes de lançamento múltiplo М142 HIMARS e M270 MLRS, não seriam usadas para atacar o território russo. No entanto, Kiev diz que não vê a Crimeia como parte da Rússia, considerando-a uma área ucraniana ocupada por Moscou.

“Mais cedo ou mais tarde teremos recursos suficientes para atacar a Rússia no Mar Negro e na Crimeia. A Crimeia é território ucraniano, por isso qualquer alvo é legítimo para nós”, afirmou o vice-ministro da Defesa.

Gavrilov também não descartou o uso de meios diplomáticos para recuperar a Crimeia, dizendo que “temos que pensar com muito cuidado como fazê-lo da maneira certa”.

“A Rússia terá que deixar a Crimeia se quiser existir como país”, insistiu Gavrilov.

Suas declarações não passaram despercebidas em Moscou, com o secretário de imprensa do Kremlin, Dmitry Peskov, dizendo que eram “mais uma prova de que a operação militar especial [da Rússia] foi um movimento correto e absolutamente justificado porque era a única maneira de salvar a Ucrânia de tais líderes” como Gavrilov.

O vice-ministro da Defesa é o mais recente de uma série de altos funcionários ucranianos a ameaçar o uso da força contra a Crimeia.

Na semana passada, o porta-voz do serviço de inteligência do Ministério da Defesa da Ucrânia, Vadim Skibitskiy, também disse que Kiev considera a região um alvo legítimo para suas forças, pois está sendo usada como centro de transporte por Moscou.

O ex-presidente russo Dmitry Medvedev, que agora é vice-presidente do Conselho de Segurança Nacional do país, alertou que, se a liderança ucraniana realmente decidir atacar a península, “o Dia do Julgamento chegará a todos simultaneamente – rápido e duro”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.