Xangai na China reforça suas severas medidas de bloqueio em meio a queda de casos de Covid-19

Compartilhe

Sob as novas políticas, mesmo pessoas com testes negativos para covid-19 podem ser confinadas pelas autoridades.

A cidade de Xangai está reforçando ainda mais suas rígidas medidas de bloqueio depois que o presidente do país, Xi Jinping, insistiu em seguir em frente com a política de “covid zero”. A decisão é tomada apesar da recente queda nos casos de coronavírus na cidade, a mais populosa da China.

Sob as novas políticas, mesmo pessoas com testes negativos para covid-19 podem ser confinadas pelas autoridades. De acordo com os depoimentos dos moradores da cidade, citados pela Reuters, eles foram obrigados a se dirigir às instalações de quarentena depois que casos foram encontrados em seus prédios e apesar de terem dado testes negativos.

Além disso, em vários distritos de Xangai eles não estão autorizados a deixar seus conjuntos habitacionais ou receber entregas por uma semana como parte dos esforços para atingir a meta de “zero casos em nível comunitário”, segundo declarações de outros habitantes.

O endurecimento das medidas de confinamento ocorre depois que Xi alertou aqueles que questionam a política de ‘covid zero’. “Lutaremos resolutamente contra todas as palavras e ações que distorcem, duvidam e negam nossas políticas de prevenção de epidemias”, disse o líder da nação chinesa na quinta-feira passada.

Para os analistas, este aviso deve ser visto como “uma crítica direta aos líderes locais não especificados do PCC [Partido Comunista da China] que questionaram as políticas do centro, ou que não tiveram sucesso suficiente em implementá-las”, disse David. diretor do China Media Project, citado pelo The Guardian.

Nesta segunda-feira, a Comissão Nacional de Saúde da China informou que 322 positivos sintomáticos e 3.625 casos assintomáticos foram registrados na cidade em 8 de maio, números consideravelmente baixos em relação a abril passado, quando os casos sintomáticos atingiram 5.000 diariamente. , enquanto os assintomáticos ultrapassaram 25.000.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.