Aliados de Bolsonaro começam a colher assinaturas para CPI da Petrobras

Compartilhe

O governo federal começou a colher assinaturas de parlamentares para apresentar o requerimento de instalação da CPI da Petrobras, proposta que pretende esmiuçar as regras de preços utilizadas pela empresa, além do repasse de dividendos e benefícios para seus diretores, entre outras informações.

Para instalar a CPI, são necessárias 171 assinaturas de parlamentares, um terço do colegiado da Câmara. Ao Estadão, o deputado Altineu Côrtes (PL-RJ) disse que já conseguiu cerca de metade do volume necessário nesta manhã de terça-feira, 21, e que, entre hoje e amanhã, deve atingir o volume mínimo necessário.

Presidente do PL no Rio, Côrtes é o autor do requerimento encabeçado pelo partido do presidente Jair Bolsonaro. “Estamos recolhendo as assinaturas. Começamos hoje cedo porque o requerimento só ficou pronto às 11 horas da noite de segunda. Estou certo de que vamos conseguir o número necessário”, disse.

Ao Estadão, o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), disse que a CPI vai sair do papel. “A CPI será instalada e dará transparência a composição dos preços dos combustíveis”, afirmou.

Uma vez coletadas as assinaturas necessárias, o pedido de instalação da CPI é encaminhado ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), a quem cabe acatar ou não o requerimento parlamentar. Na segunda, 20, Lira disse que aguarda o pedido. “Os partidos estão cada um com seu convencimento. Os líderes vão conversar com seus deputados para dar respaldo ou não a esse pedido”, disse Lira, após uma reunião com líderes partidários da base governista e alguns da oposição, sobre o aumento nos preços dos combustíveis e a Petrobras.

O apoio pela instalação da CPI da Petrobras encontra resistências do lado da oposição, que avalia que o momento não seria o mais adequado e que a investigação teria perdido força após o presidente da Petrobras, José Mauro Coelho, renunciar ao cargo na estatal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.