Argentina cria projeto polêmico que pode controlar as redes sociais

Compartilhe

O governo da Argentina anunciou neste dia 29 de março  um projeto nas  redes sociais , uma medida que visaria evitar que ” intoxicasse o espírito da democracia “.

O secretário para os Assuntos Estratégicos e titular do Conselho Económico Social, Gustavo Béliz , afirmou que vai propor “ um pacto para o uso adequado das redes sociais ” que afectem, na sua opinião, o sistema democrático.

Nesse sentido, Béliz se destacou. “ Vamos aprofundar as diretrizes centrais do uso das redes sociais para o bem comum ”. De acordo com o que foi indicado pelo responsável, o Governo trabalha em conjunto com outras 40 universidades para poder estabelecer estas linhas de ação nas novas plataformas de informação.

Críticas ao projeto nas redes sociais

Alguns internautas consideraram essa ação uma tentativa de “censurar” a expressão de pensamentos individuais. Da mesma forma, as críticas da oposição tiveram forte impacto nas redes. 

O presidente do bloco da União Cívica Radical (UCR) na Câmara dos Deputados, Mario Negri , rejeitou as declarações do governante e assegurou: “Não são as redes sociais, é a história, a impunidade, a falta de exemplaridade, o poder da obscenidade. Respeitar a Constituição Nacional, isso basta”.

“Eles podem disfarçar como quiserem, mas tentar regular/controlar as redes sociais, além de ser inconstitucional, é puro e simples autoritarismo ”, disse Negri.

O deputado da oposição Fernando Iglesias, por sua vez, foi ainda mais contundente e definiu o funcionário como membro do ” Opus Dei aliado ao peronismo ” e fechou: “Pobre país”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.