China alerta Canadá para “sérias consequências” perto de suas fronteiras em meio ao monitoramento de Ottawa sobre a Coreia do Norte

Compartilhe

O Ministério das Relações Exteriores da China acusou o Canadá de intensificar as atividades de coleta de inteligência perto de suas fronteiras sob o pretexto de cumprir as resoluções do Conselho de Segurança da ONU sobre a Coreia do Norte, e alertou que qualquer “provocação arriscada” poderia trazer “sérias consequências”.

” O Conselho de Segurança da ONU nunca autorizou nenhum país a realizar vigilância militar nos mares e no espaço aéreo de outras nações em nome da aplicação de sanções” contra Pyongyang, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China na segunda-feira. Zhao Lijian, em entrevista coletiva,  relata  a Reuters.

Na semana passada, o Departamento de Defesa Nacional do Canadá informou que um de seus aviões de patrulha, que faz parte de uma missão da ONU na região da Ásia-Pacífico, foi repetidamente interceptado por caças chineses no espaço aéreo internacional. Além disso, ele descreveu as ações dos pilotos do país asiático como “não profissionais” e disse que “comprometem a segurança” do pessoal da Força Aérea Real Canadense.

O governo dos EUA disse que Ottawa é um membro ativo de “uma importante missão” no Pacífico Norte para garantir que as sanções contra a Coreia do Norte sejam aplicadas adequadamente.

“Comportamento Provocativo”

Por sua vez, o Ministério da Defesa chinês denunciou que as aeronaves militares canadenses “intensificaram” as atividades de reconhecimento e “provocações” sob o pretexto de implementar as resoluções do Conselho de Segurança da ONU, o que põe em risco a “segurança nacional” do gigante asiático.

“Pequim se opõe firmemente a esse comportamento provocativo do lado canadense”, disse o porta-voz do ministério de Pequim, Wu Qian, na segunda-feira. Em resposta a “atos de provocação”, “hostis e pouco profissionais ”, por parte de aeronaves canadianas, os militares chineses tomaram “medidas razoáveis”, às quais se juntaram “protestos solenes” emitidos através dos canais diplomáticos, acrescentou Qian.

A China insta o Canadá a “reconsiderar a gravidade da situação, disciplinar rigorosamente suas tropas de linha de frente e não realizar nenhum ato arriscado e provocativo”, caso contrário “todas as graves consequências decorrentes disso devem ser assumidas pelo lado canadense”, concluiu o porta-voz. .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.