Dinamarca compra 2 milhões de comprimidos de iodo em meio a temores de incidentes nucleares na Ucrânia

Compartilhe

A Autoridade Nacional de Saúde dinamarquesa reavaliou a demanda estatal de iodo que poderia “ser usado em caso de acidente nuclear” e comprará 2 milhões de comprimidos  que armazenará para “cobrir o grupo de risco composto por crianças e jovens até a 18 anos inclusive, pessoal de saúde e emergência até 40 anos de idade e mulheres grávidas e lactantes”.

Em comunicado  divulgado esta segunda-feira, a entidade indica que as pastilhas de iodo só podem ser utilizadas na eventualidade de “ocorrer uma libertação radioactiva significativa na Dinamarca de um acidente numa central nuclear nas proximidades da Dinamarca ou de um acidente com uma bomba nuclear -navio motorizado em águas dinamarquesas”.

Os contratos de compra assinados com empresas do setor farmacêutico dinamarquês estipulam a primeira entrega nos próximos 2 ou 3 meses , detalha a autoridade, que está simultaneamente a desenvolver um modelo de distribuição.

Do mesmo modo, a autoridade sanitária recorda que estes comprimidos “só têm efeito quando se inala iodo radioativo e, por isso, não devem ser usados ​​se um derrame não contiver iodo”. As pílulas protegem contra a absorção de iodo radioativo pela glândula tireoide, o que aumenta o risco de desenvolver câncer .

O comunicado explica a decisão apontando que circunstâncias internacionais como a guerra militar russa na Ucrânia indicam que “o mundo é imprevisível”, enquanto a pandemia de coronavírus  mostrou a importância de “estar preparado” para possíveis emergências.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.