EUA investirão US$ 150 milhões no sudeste da Ásia na tentativa de combater a China

Compartilhe

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, recebeu os líderes dos países do Sudeste Asiático na Casa Branca na quinta-feira e anunciou uma contribuição de 150 milhões de dólares para aquela região em programas que buscam neutralizar a influência da China , informa a Reuters.

O novo compromisso financeiro inclui um investimento de US$ 60 milhões em segurança marítima e US$ 40 milhões em infraestrutura destinada a ajudar a descarbonizar o suprimento de energia da região . Washington também investirá US$ 15 milhões em fundos de saúde para ajudar na detecção precoce da covid-19 e outras pandemias respiratórias, explicou uma autoridade dos EUA. Além disso, a Guarda Costeira dos EUA enviará um navio para ajudar as frotas locais a combater a pesca ilegal da China.

Por si só, essas iniciativas não permitirão competir com a China , mas os EUA confiam em seus outros projetos, como o plano de infraestrutura ‘Reconstruir um mundo melhor’ , proposto por Joe Biden como alternativa conjunta dos países do G7 à Nova Seda Chinesa Road, bem como o Quadro Econômico Indo-Pacífico (IPEF), anunciado no final do ano passado e que o presidente vai lançar formalmente na próxima semana durante sua viagem ao Japão e à Coreia do Sul.

Na quinta-feira, o presidente norte-americano abriu a cúpula da Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), que termina nesta sexta-feira e marca a primeira vez que os líderes da organização, formada por Malásia, Indonésia, Brunei, Vietnã, Camboja, Laos , Birmânia, Cingapura, Tailândia e Filipinas se reúnem na Casa Branca.

Forçado a escolher entre Pequim e Washington?

Washington ressalta que com esses investimentos não está buscando que os países da região “escolham entre os EUA e a China”. “No entanto, queremos deixar claro que os EUA estão buscando relacionamentos mais fortes “, afirmou um alto funcionário do governo Biden.

Por sua vez, Kao Kim Hourn, conselheiro do primeiro-ministro cambojano Hun Sen, disse à Reuters que o país não “escolherá lados” entre Washington e Pequim, embora reconheça que o investimento dos EUA em seu país está crescendo.

De acordo com especialistas, embora os países da ASEAN compartilhem as preocupações dos EUA com a China, eles permanecem cautelosos em se aliar mais firmemente a Washington devido aos laços econômicos predominantes com Pequim e aos incentivos econômicos limitados do país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.