Finlândia e Suécia se preparam para grande exercício naval da OTAN com dezenas de países no mar Báltico

Compartilhe

O chefe do Estado-Maior Conjunto dos EUA, Mark Milley, deslocou-se este sábado a Estocolmo (Suécia) a propósito do início dos  exercícios militares Baltops 22 , que a NATO vai realizar no Mar Báltico de 5 de Maio a 17 de Junho. A Suécia sediará esta 51ª edição no contexto do 500º aniversário de sua Marinha.

A bordo de um navio de assalto anfíbio dos EUA de 257 metros de comprimento, Milley participou de uma entrevista coletiva, dizendo  que “é importante” para a Aliança  “mostrar solidariedade com a Finlândia e a Suécia” em seu desejo de se juntar ao bloco militar. “É importante que os Estados Unidos venham aqui e demonstrem solidariedade”, enfatizou .

“Este é um grande dia para os Estados Unidos. É a primeira vez que um navio deste porte navega pelo Mar Báltico e atraca em Estocolmo”, disse o oficial militar de alto escalão,  citado  pela mídia local. “Este é um grande exercício com 7.000-8.000 soldados de 16 países, dois dos quais não são membros da OTAN”, acrescentou.

Em suas observações, Milley enfatizou que a adesão da Suécia à OTAN é importante de uma perspectiva militar estratégica. “A Suécia pode não ter a maior força de defesa, mas é de altíssima qualidade, com grande capacidade em várias aeronaves, incluindo uma força aérea de primeira classe, equipamentos técnicos modernos, uma marinha forte e forças terrestres bem treinadas”, disse ele. disse. , observando que o país também fortalecerá a posição da Aliança na região do Mar Báltico.

Por seu lado, o ministro da Defesa sueco, Peter Hultqvist, que também participou na cerimónia, agradeceu a Washington o apoio e destacou a necessidade de colaboração entre os países devido “à situação delicada” provocada pelo conflito entre a Rússia e a Ucrânia. “O que vemos hoje em Estocolmo envia um sinal importante sobre a segurança em nossa parte do mundo.  É importante que tenhamos vários países representados aqui hoje . Estamos em uma situação delicada, o que torna essa colaboração ainda mais importante”, disse. .

“Esta é a primeira grande guerra desde a Segunda Guerra Mundial na nossa vizinhança . Pode-se dizer que é uma nova Guerra Fria ou uma nova Cortina de Ferro . É preciso perceber o que está acontecendo e estar junto com outros países democráticos”, enfatizou.

Os exercícios, que durarão  duas semanas, envolverão 45 navios, mais de 75 aviões e cerca de 7.000 soldados de 14 países da OTAN, além da Suécia e da Finlândia. Durante os exercícios serão realizadas operações anfíbias, antissubmarinas, de artilharia e de defesa aérea.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.