OTAN realiza exercício cibernético em grande escala à medida que ameaças de hackers russos se aproximam 

Compartilhe

O exercício anual em larga escala da Otan para ataques cibernéticos começou na terça-feira, com participantes de 32 países praticando a defesa contra hacks contra infraestrutura crítica, como usinas de energia e sistemas de defesa aérea. O exercício reflete “cenários de ataque da vida real com base em ataques cibernéticos vistos nos últimos 30 anos”, disse Ian West, chefe do Centro de Segurança Cibernética da OTAN, à CNN internacional por e-mail.

O incidente de hacking simulado cobrará dos participantes “manter e garantir a disponibilidade de recursos essenciais, como uma usina de água, usina de energia, sistema de defesa aérea, sistemas financeiros, etc”.

Quase 2.000 participantes de 32 países participarão do exercício de defesa cibernética conhecido como Locked Shields, de acordo com o Financial Services Information Sharing and Analysis Center dos EUA, um centro de compartilhamento de ameaças para grandes bancos que está liderando uma parte do exercício. 

O exercício foi planejado com meses de antecedência e não incorpora diretamente ameaças cibernéticas decorrentes da guerra da Rússia na Ucrânia, disse West. Mas a guerra e a suspeita de atividade cibernética russa e bielorrussa ligada a ela são impossíveis de ignorar. 

Mais antecedentes: quando a invasão da Rússia começou no final de fevereiro, supostos hackers bielorrussos tentaram violar as contas de e-mail de funcionários do governo europeu “envolvidos no gerenciamento da logística de refugiados que fugiam da Ucrânia”, segundo a empresa de segurança cibernética Proofpoint, que descobriu o incidente.

Naquela época, invasores não identificados atacaram contratados do governo ucraniano com presença na Letônia e na Lituânia, dois membros da OTAN, com código malicioso que varreu sistemas de computador, segundo pesquisadores da Broadcom Software. 

A Locked Shields, que estreou em 2010 e é administrada pelo Centro de Excelência em Defesa Cibernética Cooperativa da OTAN (CCDCOE) na Estônia, reflete a crescente ênfase da aliança no ciberespaço como um domínio de defesa multilateral. 

Embora a Rússia tenha invadido a Ucrânia para impedi-la de um dia ingressar na OTAN, o Centro de Excelência Cooperativa de Defesa Cibernética do bloco votou dias após a invasão da Rússia para admitir a Ucrânia como um “participante contribuinte” para o centro de treinamento e pesquisa de segurança cibernética. 

“A Ucrânia pode trazer valioso conhecimento em primeira mão de vários adversários dentro do domínio cibernético para ser usado em pesquisas, exercícios e treinamento”, disse o coronel Jaak Tarien, diretor do CCDCOE, em uma aparente referência aos anos d

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.