Rio investiga seis casos suspeitos de hepatite aguda ‘misteriosa’ em crianças

Compartilhe

A Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro investiga seis casos suspeitos de hepatite aguda grave em crianças. Três são na capital fluminense, sendo uma criança de quatro anos, uma de oito e um bebê de dois meses. Niterói, na região metropolitana, monitora um caso suspeito em criança de três anos e Araruama, na região dos Lagos, em uma de dois anos de idade. Entre as suspeitas, está ainda, a morte de um bebê de apenas oito meses, em Maricá, também na região metropolitana. A investigação segue em andamento, segundo informações da secretaria, para concluir se esse óbito está relacionado com a hepatite aguda infantil, de origem até agora desconhecida. 

O avanço da doença, que causa inflamação no fígado, levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a emitir um alerta internacional, no mês passado, após a identificação de vários casos no Reino Unido. 

No Brasil, o Ministério da Saúde encaminhou um comunicado aos estados sobre a necessidade de atenção para quadros da doença, que podem ser precedidos de sintomas gastrointestinais. No Rio de Janeiro, os 92 municípios também foram sinalizados de que as suspeitas precisam ser comunicadas e monitoradas.

Em nota, o secretário de Estado de Saúde, Alexandre Chieppe, disse que o alerta é justamente para que pacientes com suspeitas da doença possam ser acompanhados de maneira correta. Por isso, o secretário ressaltou, a importância de pais e responsáveis ficarem atentos a qualquer sintoma que possa indicar a infecção – que, normalmente, se manifesta a partir de episódios de dor abdominal, diarreia, vômito, febre, dores musculares e icterícia, que é a coloração amarelada na pele e nos olhos.

Com informações Agência Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.