Rússia alerta para Terceira Guerra Mundial se OTAN invadir a Crimeia

Compartilhe

O ex-presidente da Rússia alertou que a Terceira Guerra Mundial pode estourar se algum membro da Otan invadir a disputada terra da Crimeia.

Moscou lançou uma onda de novos ataques com mísseis em Kiev nos últimos dias para coincidir com a reunião dos líderes do G7 na Alemanha.

E o ex-líder Dmitri Medvedev, que serviu como presidente entre 2008 e 2012, aguçou a retórica que saiu do Kremlin na terça-feira.

Medvedev disse a repórteres que qualquer avanço na península no sul da Ucrânia – que tem sido um território disputado nos últimos oito anos – pode equivaler a uma declaração de guerra à Rússia.

“Para nós, a Crimeia é parte da Rússia. E isso significa para sempre. Qualquer tentativa de invadir a Crimeia é uma declaração de guerra contra nosso país”, disse Medvedev ao site de notícias Argumenty i Fakty.

“E se isso for feito por um estado membro da Otan, isso significa conflito com toda a aliança do Atlântico Norte; uma Terceira Guerra Mundial. Uma catástrofe completa.”

Medvedev, agora vice-presidente do Conselho de Segurança da Rússia, também disse que se a Finlândia e a Suécia se juntarem à Otan, a Rússia fortalecerá suas fronteiras e estará “pronta para medidas de retaliação”. Ele alertou que isso pode incluir a perspectiva de instalar mísseis hipersônicos Iskander “em seu limiar”.

Em 2014, a Rússia tomou a península sul da Ucrânia da Crimeia, uma área de importância estratégica em uma invasão que marcou o que um oficial de inteligência ocidental descreveu como a “militarização rastejante” do Mar Negro.

Embora a Otan e a comunidade internacional tenham considerado a anexação ilegal, eles não conseguiram impedi-la e desde então Moscou estabeleceu dois “súditos” federais na área – a República da Crimeia e a cidade federal de Sebastopol.

A invasão em larga escala de Vladimir Putin da Ucrânia em fevereiro deste ano foi vista como uma tentativa de Moscou de anexar mais território e influência no país.

No entanto, as tropas russas enfrentaram uma resistência mais dura do que o esperado e, desde então, se retiraram e concentraram seus esforços na região de Donbas, no sudeste. No sábado, forças pró-Rússia reivindicaram o controle da cidade estrategicamente importada de Severodonetsk.

A invasão aumentou as tensões entre a Rússia e o Ocidente, especificamente entre a Otan.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.