Ucrânia suspende fluxo de exportações russas de gás com destino à Europa

Compartilhe

A Ucrânia suspenderá algumas das exportações de gás russo para a Europa que fluem em gasodutos pelo país devido a interrupções nos principais pontos de trânsito , disse o operador do sistema de transmissão de gás do país (GSTOU) em comunicado na terça-feira. 

Em meio à invasão da Rússia, a Ucrânia continuou suas operações de transporte de gás russo pelo país. 

Mas o GSTOU disse que atualmente é “impossível cumprir as obrigações” com os parceiros europeus devido à “interferência das forças de ocupação”. Ele disse que a interferência da Rússia, incluindo o fornecimento não autorizado de gás, “colocou em risco a estabilidade e a segurança” do sistema de transporte de gás ucraniano.

Como resultado, decidiu suspender as operações a partir das 7h, horário local, na quarta-feira, na estação de medição de gás do ponto de entrada Sokhranivka e na estação de compressão de fronteira Novopskov, através da qual quase um terço do gás da Rússia para a Europa – até 32,6 milhões de metros cúbicos por dia — é transitado.

A Ucrânia disse que poderia transferir temporariamente a capacidade indisponível de Sokhranivka para o ponto de Sudzha, localizado no território controlado pela Ucrânia. 

No entanto, a estatal russa de energia Gazprom disse que era “tecnologicamente impossível” mudar as transferências de gás para a Ucrânia para um novo ponto de entrada, disse a agência em comunicado.

A resposta do Kremlin: O governo russo respondeu na quarta-feira à suspensão da Ucrânia de algumas exportações de gás russo para a Europa, dizendo que a Rússia sempre cumpriu e planeja cumprir suas obrigações contratuais no fornecimento de gás. 

“A Rússia sempre cumpriu de forma confiável e pretende cumprir suas obrigações contratuais”, disse o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, a repórteres. 

Peskov reiterou a linha oficial da empresa estatal russa de gás Gazprom, alegando que não houve eventos de “força maior” que possam afetar seu fornecimento de gás.

Força maior é “uma disposição em um contrato que libera ambas as partes da obrigação se um evento extraordinário impedir diretamente uma ou ambas as partes de realizar”, de acordo com a Cornell Law.

“O lado ucraniano relatou certas condições de força maior. Ouvimos declarações da Gazprom de que não havia explicações para força maior”, acrescentou.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.