União Europeia aprova nova rodada de sanções contra Rússia, incluindo embargo do petróleo russo

Compartilhe

A União Europeia aprovou uma sexta rodada de sanções contra a Rússia na quinta-feira, informou a Reuters. O pacote supostamente inclui um embargo de petróleo russo.

“Há uma decisão dos embaixadores. O sexto pacote entrará em vigor após a publicação no Jornal Oficial da UE, provisoriamente na sexta-feira”, disse um diplomata não identificado a jornalistas em Bruxelas, conforme citado pela Reuters.

Pessoas familiarizadas com o assunto disseram à Bloomberg que as novas medidas seriam as mais duras da UE até o momento. Eles vão proibir a compra de petróleo bruto da Rússia entregue aos estados membros por mar em seis meses e produtos petrolíferos refinados em oito meses. O petróleo bruto seria temporariamente poupado como concessão à Hungria e outros países sem litoral, que dependem de suprimentos russos através do oleoduto Druzhba.

De acordo com relatórios anteriores, a UE estava considerando impor tarifas de importação sobre o petróleo russo se algum membro do bloco se recusasse a implementar os termos do embargo recém-anunciado ao petróleo do país. Esta semana, os estados membros da UE chegaram a um acordo sobre a proibição parcial do petróleo russo. O embargo amortecido afetará cerca de 75% das importações de petróleo da Rússia, com essa porcentagem crescendo para 90% até o final do ano.

As últimas sanções também incluem a proibição de seguro relacionado ao transporte de petróleo para outros países, que entrará em vigor seis meses após a adoção formal das medidas. A proibição visa restringir as opções de Moscou para desviar seus suprimentos em outras partes do mundo.

O pacote de sanções também fará com que o maior credor da Rússia, o Sberbank, seja cortado do sistema de mensagens de pagamentos internacionais SWIFT, disseram as fontes. A mesma restrição será aplicada ao Credit Bank of Moscow e ao Russian Agricultural Bank, acrescentaram.

A UE vem acumulando pressão econômica sobre Moscou para obrigá-la a encerrar sua operação militar na Ucrânia. O pacote anterior de sanções foi introduzido em 11 de abril.

Enquanto isso, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia alertou na quinta-feira sobre as consequências autodestrutivas das restrições europeias. Ele disse que eles prejudicarão principalmente os cidadãos dos países da UE e que a Rússia resistirá à pressão ocidental. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.